Método Rolf - Integração Estrutural

Corpo alinhado e sem dores crônicas na coluna e articulações

Ida Rolf e os dois paradigmas da saúde

O laboratório Levene

Loboratório de LeveneLevene era culto e altamente educado, falava seis idiomas, era um amante da arte, generoso e popular com seus colegas. De algum modo porém o ajustamento dele em relação ao Instituto Rockefeller era imperfeito. Flexner o considerou incialmente como “esoterico em seus interesses científicos” (o significado dessa afirmação é desconhecido, mas desperta a curiosidade sobre a hipótese de que Levene , como supervisor direto de Ida Rolf, a tenha influenciado em suas próprias buscas esotéricas durante os anos 1920. Ele assim desenvolveu uma reputação de administrador ineficaz – de quem escapavam os detalhes práticos do trabalho no laboratório.

Levene tinha outra qualidade que pode eventualmente ter causado o desassossego de Ida Rolf no Rockefeller. Todos os chefes de departamento tinham pleno controle sobre seus laboratórios, e alguns deram a seus assistentes e associados grande liberdade para seguir seus próprios interesses em pesquisa. Levene estava no outro extremo – esperava que seus assistentes fizessem somente a pesquisa que ele mesmo definia. Tinham pouca liberdade para explorar seus próprios interesses; em conseqüência, desenvolveu poucos cientistas proeminentes em comparação com as outras chefias de departamento. Isto conduziu Flexner a expressar em 1919 que os cientistas liderados por Levene “… não estavam treinados para o trabalho independente.” Seu departamento ficou muito instável - os cientistas sairiam, procurando outras oportunidades. Tão popular e querido como era, e apesar de ter a reputação de ser um professor excelente, Levene não teve competência para desenvolver talentos.
A dra. Ida Rolf foi nomeada assistente em 1918. Em 1920 recebeu seu PhD da Columbia e em 1922 foi promovida a associada, a posição não-vitalícia mais elevada para um cientista no Instituto Rockefeller. Permaneceu como associada até sua demissão. De 1919 a 1927, publicou quinze artigos de pesquisa conhecidos, além de sua dissertação de doutorado, principalmente a respeito de dois fosfatídeos, a lecitina e a cefalina.
O trabalho da Dra. Rolf, como o da maioria em seu tempo no Rockefeller, era explorar mais a estrutura e a natureza da lecitina e de seus primos químicos (os fosfatídeos eram uma área do interesse pessoal de Levene). Era um trabalho passo a passo, detalhado, da ciência de laboratório - como extrair eficientemente a lecitina das gemas, como determinar mais exatamente sua estrutura química. Seus artigos eram, em uma palavra, secos (um cientista os descreveu, depois de lê-los, como uma cura maravilhosa para a insônia).

A pesquisa de Ida Rolf teve sempre Levene como coautor – o nome dele apareceu sempre acima do dela em seus artigos. Era comum naquele tempo mandar chefias de laboratório pôr o nome sobre toda a pesquisa que saísse de seu laboratório, não importava se o chefe do laboratório tivesse tido participação real no estudo ou não. Assim não é possível saber se ele trabalhou ativamente com ela em sua pesquisa publicada ou atuou simplesmente como supervisor.

Profissional certificado

Armando Macedo é profissional do Método Rolf certificado pela Guild for Structural Integration - GSI. Clique aqui e digite o nome do profissional no campo "find" correspondente a "Find Pratitioners" do site americano.

Atendimento: Rua Tuiuti, 2530 - conjunto 76, Tatuapé, São Paulo. Fones: (11)2097.1992 e (11)2768.1018.