Método Rolf - Integração Estrutural

Corpo alinhado e sem dores crônicas na coluna e articulações

Ida Rolf e os dois paradigmas da saúde

O instituto e sua missão

“Aqui está uma instituição cujo valor toca a vida de todo ser humano… Quem não sentiu o impulso do desejo de ser útil a todo o mundo? Aqui ao menos está um trabalho para toda a humanidade, que satisfaz plenamente e preenche esta gloriosa aspiração. Uma vocação que vai de encontro aos fundamentos da própria vida…” Frederick Gates, à direção Instituto Rockefeller, por ocasião do décimo aniversário dos laboratórios, em 1914.

Simon FlexnerA finalidade do Instituto Rockefeller era objetiva – proporcionar aos cientistas os recursos necessários à pesquisa no campo da medicina. A orientação era mais geral que a dos congêneres europeus, mas estava centrada em primeiro lugar nas doenças infecciosas. Rockefeller no entanto visou um espectro amplo da prática médica. Além dos estudos sobre as doenças infecciosas, os cientistas explorariam técnicas cirúrgicas (que pavimentaram o caminho para os transplantes de órgãos) e começaram a pesquisar o câncer (Peyton Rous, um graduado pela Hopkins que fez pesquisas no Rockefeller, descobriu em 1911 que um vírus poderia causar o câncer, e meio século depois, teve seus esforços reconhecidos com o Prêmio Nobel). No instituto foi realizado também o trabalho básico que conduziria a um dos grandes feitos científicos no século XX – o mapeamento da molécula do DNA.

Welch escolheu um protegido, Simon Flexner, para liderar o novo instituto. Flexner imprimiu ao instituto seu próprio caráter – “cortante, nervoso, frio.” Ele era descrito como áspero, brilhante e intimidativo. Foi temido por alguns dos melhores cientistas do mundo. Ele procurava somente os melhores para trabalhar para ele, e demitia aqueles cujo trabalho acreditava não atender aos padrões exigidos. Mas podia ser paciente e acolhedor quando via uma promessa, e oferecia um largo campo de ação quando via um pesquisador com talento verdadeiro. Ele também apoiou a abertura e o debate, a competição e a discordância. Procurou individualistas, dissidentes destemidos capazes de pensar em novas direções, e estimulou trocas vivas e regulares de idéias. Seu objetivo foi o de criar não um instituto, mas um organismo vivo, e o resultado foi um ambiente que exigia igualmente, mas também excitava, provocava e despertava a criatividade.

Desde o começo, o novo instituto produziu regularmente manchetes, não só na América, mas internacionalmente. Teve imediatamente um enorme impacto no mundo científico, bem como no publico em geral. Suas realizações ganharam frequentemente grande publicidade, e com muita fanfarra. A imprensa amou Flexner e seu instituto, e ele a tratou da mesma forma. Embora tivesse críticos, que zombavam da máquina publicitária, o instituto rapidamente tornou-se para a pesquisa o que a Hopkins havia se tornado para o estudo e a formação médica – o lugar para estar para um cientista desejoso de fazer um nome para si mesmo no campo da pesquisa. O Rockefeller estaria envolvido, e frequentemente no centro, de cada desenvolvimento médico realmente significativo na América durante alguns dos anos seguintes.

Este periodo, que compreende o final do século XIX e o início do século XX, tem sido chamado de “os anos de ouro” da medicina americana. Descobertas importantes ocorriam praticamente todos os dias, surgiam vacinas e tratamentos para algumas das doenças mais fatais que acometiam a humanidade, e as ciências biológicas haviam se tornado o centro do universo médico. Muitos dos processos destinados a preparar as culturas e a conduzir as pesquisas relativas às doenças infecciosas, que foram desenvolvidos naquele período, são práticas adotadas até hoje, e, em alguns casos, os pesquisadores conseguiram resultados com pacientes superiores aos obtidos com os métodos farmacêuticos modernos. As grandes pragas que tinham atacado a humanidade por séculos – varíola, cólera, tifo, febre bubônica, febre amarela – estavam sendo contidas e vidas estavam sendo salvas das epidemias aos milhões.

Profissional certificado

Armando Macedo é profissional do Método Rolf certificado pela Guild for Structural Integration - GSI. Clique aqui e digite o nome do profissional no campo "find" correspondente a "Find Pratitioners" do site americano.

Atendimento: Rua Tuiuti, 2530 - conjunto 76, Tatuapé, São Paulo. Fones: (11)2097.1992 e (11)2768.1018.